Vídeo em Destaque

+ Mais videos

Enquete

LULA SERÁ PRESO?
Crônicas do Imperador
na Rede

PROIBIDO PARA MENORES

Terça feira, 16 de Agosto de 2011
PROIBIDO PARA MENORESPROIBIDO PARA MENORES

Tudo na vida é uma questão de interpretação e bom senso! Tentar diferenciar a literatura erótica da pornográfica é como tentar separar a água da água; uma tem a ver com a outra e a outra é tudo de uma.

A questão me chegou esta semana através de uma escritora de contos eróticos do Rio de Janeiro que assina com o pseudônimo de Lacuna Coil e que está se sentindo pressionada pelo site de divulgação de textos Recanto das Letras. Coil é escritora e possui vasto acesso de terceiros ao seu acervo; segundo a escritora, após a publicação de um de seus documentos a direção do site a advertiu para modificar os termos ou retirar o conteúdo, sob a alegação de ser pornográfico e inadequado.

Acontece que o site Recanto das Letras possui um espaço próprio para publicação de “Textos Eróticos” e este está dividido em “contos”, “crônicas”, “duetos”, “humor”, “mensagens”, “poesias”, “poetrix”, “prosa poética” e “geral”; tudo devidamente advertido que o acervo pode apresentar conteúdo impróprio para menores de 18 anos, citando ainda que o site não faz avaliação prévia do conteúdo.

A escritora desabafou num e-mail e citou que jamais quis ferir qualquer código de ética ou a legislação em vigor, entretanto realça que há liberdade de expressão e que seu texto, uma poesia, em nada contribuiu para tal advertência escrita. Polêmica a parte, é preciso discernir bem sobre o tema; finalizar o que se entende como pornográfico e como erótico e também citar que o site pode proibir em seu acervo qualquer tipo de publicação, mas quando ele próprio determina um espaço para publicações eróticas, assume um risco de ter inserido qualquer tipo de texto que aborde a sexualidade e nem sempre as pessoas que escrevem sobre este tema utilizam palavras clássicas; este é o risco de quem se aventura a ler...

Vejamos o que nos diz uma enciclopédia renomada, a Britânica, acerca deste tema: “A Literatura Erótica é o gênero literário que utiliza o erotismo em forma escrita, para despertar ou instruir o leitor sobre as práticas sexuais. Pode também ser chamada de literatura pornográfica, se as cenas sexuais são realmente muito explicitas. Em sua maior parte utiliza-se do gênero literário romance, embora alguns dos grandes clássicos eróticos estejam em forma de conto ou poesia”. Se a enciclopédia Britânica discerne pornografia e erótico desta forma, outros renomados escritores e pensadores modernos também reafirmam esta mesa tese e não podemos nós aquilatar de modo diferente.

A pornografia é pura e simplesmente uma descrição dos prazeres carnais; o erotismo é a mesma descrição aquilatada, com base em um ideal de amor ou da vida social. Tudo o que é erótico é também necessariamente e fundamentalmente pornográfico. É mais importante fazer a distinção entre o erótico e o obsceno. Neste caso, considera-se que o erotismo é algo que torna a carne desejável, a mostra em seu esplendor e florescimento, inspira uma sensação de saúde, beleza e prazer, enquanto que a obscenidade desvaloriza a carne, que é associada com sujeira, imperfeições e palavras sujas.

Mas então quais são estas palavras sujas? A sujeira explicitada no sexo ou nos prazeres carnais é tudo aquilo que somente uma parte acreditar ser sórdido. Relatos de estupros com o emprego do sadismo e a associação do prazer por quem narra é evidentemente sujo; a pedofilia narrada de forma prazerosa é evidentemente suja; necrofilia, parafilias, submissões ou qualquer outra aberração associada ao prazer, também é evidentemente sujo e deve sim ser combatido, porque muito embora poucos de nós saibamos, a maioria das pessoas tem certeza de se tratar de atos criminosos e desprezíveis.

Tudo mundo sabe que o erotismo e o sexo estão associados à sociedade e a cultura humana desde o início dos tempos, e a literatura não foi uma exceção, embora tenha sido muitas vezes submetido à censura por ser considerado um tema reprovável e pecaminoso. Entretanto, são freqüentes as referências a sexo ou passagens eróticas em várias obras, não como o tema principal, mas como capítulos isolados que contribuem para a evolução da história ou o desenvolvimento de um personagem. Por exemplo, é possível encontrar fragmentos claramente eróticos em Dom Quixote de Cervantes ou em Ulisses de James Joyce, mesmo que não se considere tais obras como pertencentes ao gênero.

O Império Romano esteve cheio de erotismo clássico; no período medieval também foram feitas obras intermináveis com este tema; no Século 18, época dos grandes romances, há uma vasta relação literária e nas artes plásticas com a pornografia; na Era Vitoriana, outras tantas obras estão ligadas diretamente com o sexo explícito; já no Século XX, início da liberdade de expressão, o mundo inundou-se com os prazeres do sexo. Todas estas obras hoje são tidas como perfeitas expressões da arte; então por que querermos nós desassociar o erótico do pornográfico?

O Kamasutra é erótico, pornográfico ou religioso? Jardim Perfumado, Ananga Ranga, assim como o Kamasutra, são conhecidos manuais pornográficos que dentre outras coisas, ensinam como evitar a separação de um casal; isso é tão pecaminoso assim?

Eu não vejo pecado ou crime algum se os autores descrevem cenas eróticas de circunstâncias onde há prazer mútuo e respeito à pessoa; se a linguagem que ele utiliza ou a cena que ele pinta é ou não adequada para certos tipos de grupos sociais, somente estes grupos podem dizer e se motivarem a não ler ou ver tais obras. Seja erótica ou pornográfica, qualquer obra precisa, aqui no Brasil, possuir a advertência de liberdade apenas para maiores de 18 anos, como preceitua a Lei; casos omissos a isso devem se tratados de forma responsável e criteriosa, para não conotar autoritarismo preclaro.

O célebre pensador latino Ovídio disse: Quem põe ponto final numa paixão com o ódio, ou ainda ama, ou não consegue deixar de sofrer. É assim que eu vejo as pessoas que criam moldes para rotularem o sensual do pornográfico; porque o que importa não é ameaça social da visão de uma vulva ou a descrição da participação dela num coito; o que importa é o que nutrimos em nossas cabeças, porque da mesma forma que sabemos de sacerdotes que aliciam menores, também temos certeza que a maioria dos autores eróticos são pessoas normais, como eu sou e como você leitor provavelmente o seja.

Se amar é um combate de relâmpagos e dois corpos por um só mel derrotados, como disse Neruda; no amor o desejo gera o amor, já na mulher o desejo gera o próprio desejo; em ambos há pornografia latente e mesmo os puritanos de plantão não podem desmentir isso, porque se não fosse assim, eles não teriam nascido e não perpetuariam seus genes para as próximas gerações.

Erótico ou pornográfico, muitas vezes é agressivo para mim e não é para você; ético mesmo é advertir antes da leitura ou visão, para que todos possam antecipadamente escolher se deseja ou não observar aquela obra. Reitero a necessidade dos rigores legais para quem escreve, publica ou difunde qualquer tipo de obra que incite à violência, a humilhação, as parafilias, a homofobia e a pedolatria. Obras ligadas a este tipo de contexto não são eróticas ou pornográficas, mas sim pervertidas, torpes e causam feridas enormes na sociedade de modo geral.

Sabemos bem que a pornografia é uma espécie de representação por quaisquer meios, cenas ou objetos impudicos que expõem as práticas diversas de posições sexuais com o intuito de despertar o desejo erótico do observador. O termo vem do Grego equivalente a prostituta e se isso fosse tão ilegal aqui no Brasil, as prostitutas não teriam nomenclatura legal junto ao Ministério do Trabalho; as revistas do gênero não seriam autorizadas a circular; os sites como o próprio UOL (que tem ligação com o Recanto das Letras), não divulgaria vídeos e textos meramente pornográficos; é obvio que salientando da devida necessidade de divulgação prévia da advertência de inadequação para o público menor de 18 anos.

Entretanto se formos aquilatar para chegarmos a um consenso, ganharão os leitores, os autores e o próprio site que serve como uma espécie de editora.


Carlos Henrique Mascarenhas Pires é editor deste Blog
 e também é escritor do Recanto das Letras com quase 1 milhão de acessos em pouco mais de 500 textos, dentre eles alguns do gênero erótico!



Comentários 4

Flor

Terça feira, 02 de Fevereiro de 2016, às 01:50
Curiosidade

Leitor Comum

Quarta feira, 26 de Setembro de 2012, às 18:44
Se a vossa posição não fosse defendida tão seriamente assim, seria hipocrisia, ótimo texto.

Cândido

Domingo, 01 de Janeiro de 2012, às 20:42
Estou na faze de revisão de texto para editoração e publicação de um livro sobre a evolução das relações. Falo de transa, de toques nas partes íntimas na forma de carinho, falo da ereção peniana que se impunha ao homem ao homem no surgimento da minissaia, de quanto era estimulante a cabeleira vaginal, de homossexualismo,e outras citações que não me ocorre. Minha dúvida devo recomendá-lo para maiores de 16 ou 18 anos? Por favor espero pode contar com a sua colaboração.Grato. Cândido

Lizana

Segunda feira, 05 de Setembro de 2011, às 12:34
Frequentemente visito seu Blog . E cho muito gostosa a forma que você direciona as palavras. Parabéns!



Nossos Parceiros

© Copyright 2011 - Crônicas do Imperador. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento de sites