Vídeo em Destaque

+ Mais videos

Enquete

LULA SERÁ PRESO?
Crônicas do Imperador
na Rede

PAULO, UM BRASILEIRO DE VERDADE

Quarta feira, 17 de Janeiro de 2007
PAULO, UM BRASILEIRO DE VERDADE

Basta pormos os pés nas ruas de qualquer cidade brasileira; seja ela de pequeno, médio ou grande porte; que não é difícil encontrarmos o povo inventando uma maneira para sobreviver.

Quando das minhas muitas idas ao Rio de Janeiro, dois lugares da Cidade Maravilhosa me deixavam deliciosamente maravilhados com seus trabalhadores temporários e muitos outros que estavam ali há anos, inventando sempre uma razão para ganhar alguns trocados; o primeiro lugar é internacionalmente conhecido, que é o Largo da Carioca, bem pertinho da Avenida Rio Branco, centro nervoso do Rio, onde centenas de artistas fazem desde acrobacias, mágicas, vendem livros, revistas e até prestam assessoria financeira para aqueles que chegam na cidade para ganharem à vida. O outro local do Rio a que me referi é a Feira de São Cristóvão que além dos quitutes fantásticos do Nordeste, apresenta também vários sertanejos retirantes que sonham com o estrelato no Rio de Janeiro.

Não importa o porte da cidade, o que importa mesmo é a platéia que ela apresente. Se existem os artistas, com certeza existem os que consomem a sua arte ou os seus préstimos, como também existem os “picaretas” que enganam e de certa forma roubam a alegria daqueles que ainda acreditam nos artistas de ruas e os valorizam. Não é incomum encontrarmos próximos das estações rodoviárias, pessoas que prometem dinheiro fácil com apostas como a de acertar aonde está a bola nas formas de bolinhos.

O acesso ao emprego com as devidas garantias da CLT está tão difícil e raro que o brasileiro busca de qualquer forma uma maneira de criar uma fórmula mágica que o faça rico, famoso ou feliz; quiçá os três juntos, mas menos de dois em cada grupo de dez milhões conseguem sequer uma vida normal, com a dignidade que merecem estas pessoas sofridas e inteligentes.

Em Vitória da Conquista, na Bahia, vive Paulo “Enrolado” ou Arrocha, que provavelmente recebeu este apelido pelo ofício que pratica há alguns anos. Paulo é um destes brasileiros que busca uma oportunidade de avistar apenas o primeiro degrau da fama ou de apenas reconhecimento pelo seu trabalho pícaro e inteligente. Ele vive em postos de combustíveis da margem da BR 116 (Rio – Bahia) entortando pregos para confeccionar incríveis quebra-cabeças e os vendendo a quem passa por também incríveis R$ 2,00.

O que Paulo Enrolado produz nada mais é do que sonhos que ele próprio acredita que diverte pessoas e pode um dia produzir a sua própria felicidade. Segundo este brasileiro verdadeiro, ele já esteve bem; caiu e foi ao fundo do poço e pelos seus quebra-cabeças geniais, criados e produzidos por ele mesmo em seu carrinho de madeira, ele descobriu o início do caminho da felicidade.

Paulo me confidenciou que muitos o chamam de louco; outros o chamam de vagabundo e poucos conseguem lhe elogiar, mas ele jamais desistirá do seu objetivo e continuará criando arte de rua pois esta arte é quem paga seu “pão” de todo dia e o conduzirá ao reconhecimento. Ele ainda me disse que a TV Globo local já o convidou para o quadro dominical “Se Vira Nos Trinta” e ele apresentará um jogo novo que retira uma haste maciça que prende várias argolas de aço, sem ter que quebrá-las.

Igual a Paulo Enrolado existe milhares de outros e o mais difícil é determinar se são melhores ou iguais a ele, mas o certo mesmo é que todos os “Paulos” que fazem da sua inteligência um instrumento em prol do bem estar da comunidade por si só já mereciam um lugar de destaque; uma estátua ou um monumento, mas a probabilidade de serem reconhecidos pelas suas artes ou conhecimentos, nós sabemos que é cada vez mais difícil, para não dizermos impossível.

O brasileiro comum não gosta do brasileiro comum; por natureza e história, somos educados para sermos “puxa-sacos” ou capachos de alguns muitos idiotas que roubam à arte do Paulo, patenteiam, industrializam e ficam milionários, enquanto o Paulo, aquele dos pregos tortos que viram quebra-cabeças, continuará sendo chamado de vagabundo; é a puta ignomínia da vida que inverte valores imprescindíveis e minimizam aqueles que de fato são inteligentes.

Pode até ser que Paulo Enrolado não ganhe nada no “Se vira nos trinta”; pode ser que ninguém que o assista reconheça que a sua arte faz crescer a esperança dentro de um brasileiro batalhador e feliz; pode ser que nem mesmo eu tenha contribuído para que aquele brasileiro incomum saia da escuridão dos postos da BR 116 para o sonhado reconhecimento, mas com plena certeza, Paulo me fez feliz naquela noite que o conheci pois me deixou bem claro que nem sempre a felicidade está naquilo que sonhamos ou que arquitetamos a vida inteira; pode ser que a felicidade esteja aqui do meu lado, mas meu medo, que é igual ao da maioria dos brasileiros, me deixa cego, burro, surdo e mudo.

Parabéns Paulo por sua arte e por sua contribuição impagável para a criação da história do Brasil!

 

Texto e Foto:

Carlos Henrique Mascarenhas Pires

 



Comentários 0



Nossos Parceiros

© Copyright 2011 - Crônicas do Imperador. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento de sites