Vídeo em Destaque

+ Mais videos

Enquete

LULA SERÁ PRESO?
Crônicas do Imperador
na Rede

OS QUATRO MENINOS DE LIVERPOOL NÃO MORREM JAMAIS

Quarta feira, 20 de Dezembro de 2006
OS QUATRO MENINOS DE LIVERPOOL NÃO MORREM JAMAIS

Eu sou um daqueles “betlemaníaco” moderado, e raramente sei dizer qual música foi composta por quem e quando, mas quando me casei pela primeira vez na Bahia, tratei de exigir de João Piloti, pároco, que minha entrada fosse feita ao som triunfal de Eleanor Rigby tocada pela London Orchestra Symphony, e mesmo com protestos de padres, freiras e outros puxa sacos do clero, acabei entrando na igreja de braços dados com minha avó Dete, de fraque preto tipo pingüim e ao fundo o melhor dos Beatles orquestrado.

Quando os meninos dos Beatles resolveram assumir a loucura da maior idade e passaram a fumar maconha e cheirar cocaína o grupo que cantava o amor e as coisas mais sutis da vida não suportou e desmantelou-se, isso em 1968. De lá para cá foram centenas de tentativas de reagrupar os garotos de Liverpool, mas sem nenhum sucesso.

O certo mesmo é que a lenda perdurou até dezembro de 1980, mas como disse Milton Nascimento, um psicopata lunático e sem coração, em nome de um amor inexistente, matou Lennon em Nova Iorque e o que ainda podia ser a lenda que traria um dia os Beatles de volta havia se acabado mesmo. Paul, Ringo e George jamais conseguiriam ajustar os mesmos parâmetros de antes sem aquele besouro assassinado tão friamente.

Sou saudosista sim, e lembro que na década de 70 a minha turma ouvia as canções do The Beatles e não encontrávamos em nenhuma delas a perversão que existe na música atual, aliás, não podemos comparar o que ouvimos hoje com qualquer gênero de musica pois estaríamos agredindo quem de fato faz música.

Alguém já se deu conta que as letras que aqueles cinco rapazes musicavam eram as coisas mais inocentes que podiam existir? Alguém já se deu conta que mesmo em tempos difíceis onde um LP (Long Play) custava caro os Beatles em curta carreira venderam mais do que Michael Jackson a vida inteira? Alguém já se deu conta que desde 1968, ou seja, quase quatro décadas depois de desistiram da carreira em grupo os Beatles ainda são os recordistas mundiais em venda de CDs e outras coisas do gênero?

Está para nascer alguém que consiga desbancar o que aqueles garotos conseguiram em menos de 15 anos de carreira; garotos que não tinham para comer e que depois de uma dúzia de canções deixaram uma marca tão forte no globo terrestre que arrebata milhões de apreciadores que sequer chegaram a conhecer John Lennon. Os meninos de Liverpool fizeram história e suas canções quase infantis até hoje possuem lugar de destaque em rádios e televisões do mundo inteiro.

Como disse antes, sou um fã moderado, mas tenho todos os CDs deles e além deste fanatismo sem radicalismo, somente sinto algo parecido pelos Scorpions, mas o The Beatles serão para mim algo como uma tatuagem, entrou em meu corpo e não sairá nem com a morte. Queria mesmo era ser cremado e no funeral simples, que fosse executado como som de fundo, Submarino Amarelo, para que as poucas pessoas presentes saibam que naquela urna há uma pessoa que gostava dos Besouros de Liverpool.

Primeiro John Lennon, depois George Harrison, agora nos resta Paul e Ringo para podermos quem sabe sonharmos com a remota possibilidade de que as estrelas destes besouros consigam iluminar estes novos cantantes para que façam obras, não iguais as dos Beatles, mas que pelo menos tenham uma essência similar.

 



Comentários 0



Nossos Parceiros

© Copyright 2011 - Crônicas do Imperador. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento de sites