Vídeo em Destaque

+ Mais videos

Enquete

LULA SERÁ PRESO?
Crônicas do Imperador
na Rede

NEGÓCIO FECHADO 2...

Sexta feira, 05 de Agosto de 2011
NEGÓCIO FECHADO 2...

No capítulo anterior eu comecei escrevendo alguns tópicos sobre respeito ao consumidor; a sobre importância deste excelente e insuperável instrumento de crescimento de qualquer empresa, pois sem o cliente, nenhuma delas consegue sobreviver...

Muitas empresas vendem “gato” por “lebre” e imaginam que estão fazendo um excelente negócio; algumas remarcam seus preços sempre que podem e muito além da inflação ou dos repasses de preços do fornecedor; o cliente acaba pagando por tudo isso e sem chance de reclamação. Outras praticam preço diferente de acordo com a cara do freguês. Quem age desta forma tem os dias contados. O cliente precisa ser exigido até o limite do respeito aos seus direitos; explorá-lo de forma inconseqüente e irresponsável pode causar tumulto e até a ruína de qualquer empresa.

Quando o tema é o atendimento, o empresário e seus colaboradores precisam se unir para atender seus fregueses no menor tempo possível; fazer o cliente esperar é uma ignomínia; atendê-lo sem cortesia e sem um sorriso também é pecado. Ser gentil e entusiasmado; fazer com que o cliente não fique nervoso nunca e quando isso ocorrer, tratar de acalmá-lo, jamais significa que a sua empresa está se rebaixando. Nunca pense que o cliente é substituível; a história que vai um e vem mil é uma balela...

Em muitos lugares os clientes vão de forma simples; vestidos muitas vezes sem estar no devido padrão de elegância; isso não traduz que ele seja mais ou menos importante. Uma pesquisa de criminalística recente afirma que 90% dos casos de assaltos a bancos e joalherias em São Paulo foram praticados por homens bem vestidos. Pense sempre nisso na hora que avistar um cliente entrando em sua loja...

Se você é colaborador ou empresário, evite a todo custo promover discussões acaloradas na frente de seu cliente; permita sempre que possível fazer concessões; jamais trate seu cliente com frieza; nunca reitere que apenas está cumprindo ordens; atenda seu cliente com agilidade e firmeza de conhecimento; atenda-o sempre de modo personalizado, sem perder jamais a cortesia e a elegância; nunca faça cara feia para as crianças que estiverem em companhia de seus clientes; prefira sempre dizer “sim, é possível”; nunca atenda ninguém com algo na boca ou mascando chicletes; se o seu cliente lhe “cantar”, saiba sair-se de modo educado e gentil; jamais invente horários ou cargos para fazer o cliente desistir do atendimento; nunca faça perguntas idiotas; também não ofereça respostas cínicas; tente sempre tratar seu cliente pelo nome próprio e jamais por apelido; cliente que fica de pé esperando o atendimento costuma não voltar ou reclamar; não seja desatento; nunca atenda ninguém com o semblante sorumbático; procure servir ao seu cliente um cafezinho, suco, chá ou refrigerante; quando o cliente der alguma mancada, jamais ria de sua claudicada; jamais persuada seu cliente comprar aquilo que ele não deseje; nunca oriente-o a comprar algo em desacordo com sua vontade; entrou na loja, atenda-o sem esperar que procure alguém para atendê-lo e jamais o abandone para fazer outra coisa; mantenha o mesmo ritmo de seu cliente; em comércios que haja fila de atendimento, jamais dê preferência a amigos; nunca tente fazê-lo desistir...

Não podemos afirmar que estas regras são as únicas; sabemos que há outras inúmeras regras simples para cativar o seu cliente; as regras citadas são apenas algumas e que se deve colocá-la em prática para evidenciar o sucesso de sua empresa. Criar um clima ideal para atendimento também costuma ter fortes retornos e bons negócios.

Costumamos ver em grandes lojas o ar condicionado desligado em um forte calor interno; isso muitas vezes porque o gerente ou até mesmo funcionários sentem frio exacerbado. Por esta ótica o cliente que se exploda, afinal ele ficará apenas alguns instantes... Pensar assim é também evidenciado como pecado comercial; o cliente precisa estar num ambiente climatizado sempre; se o clima local é quente, o ar condicionado deve estar sempre ligado; se o clima é frio, aquecedores e climatizadores deverão agir imediatamente.

Outros casos como higiene, arrumação, decoração e ambiente livre de fumaça de cigarro podem fazer a diferença na hora de fechar um negócio. Sanitários limpos e arrumados são fatores diferenciais; estacionamento exclusivo para clientes e não para funcionários também tem um grande peso; jornais, revistas e outros informativos devem estar sempre a vista e atualizados.

Agora vamos falar da aparência dos colaboradores e dos empresários. Sabemos que a roupa que vestimos; os acessórios que usamos; e até mesmo nossa aparência estética e higiene influenciam na confiança dos clientes; é fato também que a primeira impressão é sempre a que fica; barba bem feita, roupas sujas, aspecto maltrapilho e sapatos sujos oferecem um rótulo completamente em desacordo com os bons modos.

Muitas pessoas transpiram muito e algumas cultivam odores fortes através desta transpiração; nada de oferecer paliativos como desodorantes de ambiente; o eficaz é cobrar um tratamento de seu colaborador e que ele se adéqüe sempre aos padrões normais de aparência. Caspas, chulé, mau hálito e adores nas axilas são venenos para o atendimento de alguém. Apresentar-se sempre com a postura ereta finaliza o processo da aparência...

Mas e os problemas e os erros; o que devemos fazer diante deles?

Erros e problemas irão existir sempre em qualquer tipo de empresa; fazer o devido apontamento de todos eles é sempre um sinal da busca da solução. Empresas sérias devem se reunir para discutir todos os erros e os problemas gerados; jamais devemos tentar justificá-los, principalmente para nosso cliente. Se o cliente apontar um erro, imediatamente peça desculpas e informe-o que ele será corrigido; se puder, corrija-o no ato, ou de plano!

Um exemplo claro são os cheques pós-datados; muitas empresas os aceitam e não costumam ter um controle absoluto dos mesmos. De quando em vez ouvimos o cliente reclamar que emitiu um cheque para o dia X e a empresa o depositou no dia Y; assuma o erro, peça desculpas e não culpe pessoas inocentes.

Tem uma sigla muito comum nos dias atuais, SAC; muitas empresas afirmam que possuem um serviço exclusivo de atendimento ao cliente, mas na prática não fazem. Mesmo quem não recebe reclamações formais pode afirmar que não as possui; se um único cliente reclamar, muitas empresas dizem se tratar de caso isolado e até taxam aquele cliente como neurótico. A reclamação não pode ser da maioria. Quando o cliente o procura para reclamar, na maioria dos casos é porque o caso já fugiu do controle; jamais o diga que vai ver o que pode fazer ou que a culpa não é sua. Outro pecado comum é não permitir que o cliente emita sua opinião acerca de uma reclamação...

Minha sugestão humilde é para que toda empresa tenha um serviço de atendimento ao seu cliente e que quando instituído tal serviço, o empresário deverá sempre procurar um ou vários profissionais que saiba escrever corretamente, interpretar textos e/ou oratórias, que seja humilde e paciente. As empresas que puderem deveriam ter uma linha telefônica exclusiva e um endereço de e-mail de fácil entendimento.

Muitas lojas vendem algo que chegam com defeito; ao invés de tentar resolver o problema, ela acaba mandando seu cliente procurar uma assistência técnica, como se aquele problema fosse exclusivamente do fabricante. Também é comum observarmos mais uma vez a tentativa de persuasão para fazer o cliente acreditar que se trata de um problema mínimo ou um defeito sem importância.

Voltando um pouco ao texto anterior, o cliente insatisfeito ou enganado, se procurar direto o juizado especial civil, de plano irá gerar despesas e dificilmente retornará a fazer negócios. Justiça custa caro, necessita de advogados e demanda tempo; ao invés de remediar, toda empresa deveria prevenir. Investir na prevenção é mais barato, sob todos os aspectos, do que investir no remédio.

Eu sempre sugiro que haja aulas práticas de interpretação do Código de Defesa do Consumidor; que os colaboradores saibam exatamente para que sirva este mecanismo de defesa do cliente e quais as conseqüências práticas para as empresas nos casos de ações ajuizadas.

Fabricantes e lojistas são solidariamente responsáveis e acionados na maioria dos casos envolvendo a justiça especial cível; prestadores de serviço também podem ser acionados. O que toda empresa, de qualquer porte, deveria fazer é praticar a satisfação de seu cliente; fazer um esforço máximo para deixá-lo jubiloso, exultante e extremamente mitigado daquilo que adquiriu.

Com ações simples podemos reverter qualquer quadro corrompido numa empresa; para isso tem que haver diligência e veemência integral de todos numa firma.

Ainda falarei dos maus clientes; aqueles que existem apenas para usufruir das vertentes vulneráveis do CDC, mas antes disso, irei escrever sobre inúmeros outros temas que possibilitam ter para sempre os antigos e novos clientes. Irei falar sobre Recursos Humanos, sobre mais tipos de relacionamentos, citações clássicas, inconveniências, produtos milagrosos, dificuldades, propaganda, proteção, blindagens e encantos.

Falarei também sobre outros tipos de clientes e ao final de todos os textos, farei uma análise prática de casos judiciais envolvendo reparação material e moral, bem como dicas práticas de como manter longe dos tribunais os seus problemas.

Até a próxima...


Carlos Henrique Mascarenhas Pires



Comentários 1

cristina

Sábado, 06 de Agosto de 2011, às 10:55
Gostei tanto quanto a primeira parte!bjo



Nossos Parceiros

© Copyright 2011 - Crônicas do Imperador. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento de sites