Vídeo em Destaque

+ Mais videos

Enquete

ALGUM DENTRE OS ENVOLVIDOS NO MENSALÃO SERÁ PRESO?
Crônicas do Imperador
na Rede

CANALHA, SINÔNIMO DE POLÍTICO!

Segunda feira, 09 de Abril de 2012
CANALHA, SINÔNIMO DE POLÍTICO!

Há um ditado que diz que uma chave que abre muitos cadeados é uma chave mestra; já um cadeado que pode ser aberto por muitas chaves é uma porcaria!

O canalha habitual pode ser facilmente traduzido como uma pessoal vil, um velhaco ou um tratante; pessoa que deveria ser desprezível ou a escória da sociedade, mas que na mais pura verdade não o é; e o pior: o canalha moderno é venerado, cultuado e apontado sempre como um belo exemplo a ser seguido. Os novos e velhos canalhas permanecem sendo eleitos pela maioria para representá-lo nas mais diferentes instâncias do Poder.

Não há um local específico para a instalação de um canalha; ele pode estar no Planalto, no Congresso, nos Tribunais Superiores, numa delegacia, no gabinete de Governador, num hospital ou em nossas casas; para se identificar o canalha vai depender de um ponto de vista que em regra geral se começa pela ética; uma palavrinha tão comentada, quase nada entendida e raramente praticada!

Atualmente a mídia é a maior caçadora de canalhas; a gente de imprensa descobre aquilo que muitas vezes já sabemos, mas sempre nos mantemos como desentendidos e ignoramos. A bola da vez na mídia brasileira são os gastos graúdos praticados pelos Legislativos nacional e estadual. Os senhores deputados, federais e estaduais, gastam verdadeiras fortunas em uma farra inescrupulosa e indecente; tudo isso com o aval flagrante do códice que deveria coibi-los, a Constituição; constituição esta que são eles próprios que elaboram e a fazem valer!

A chave mestra do Brasil, pelo visto são estas pessoas vis; gente da mais baixa estirpe que recebe do povo, o cadeado ruim, carta branca para procederem como bem entender. O canalha é irresistivelmente sedutor e tal charme ocorre sempre pouco antes das eleições, quando eles prometem tudo e se fazem parecer amáveis, íntegros e prestativos. Os canalhas que vislumbram mamar nas tetas do Poder passam a beijar crianças sujas de periferia, comparecem em festinhas de favelas sempre sorrindo e comendo feijoada na laje e quando lhes dão oportunidade, eles sempre distribuem comida e fazem acontecer alguma pantomima; fazendo da máxima romana de pão e circo, valerem-lhes os votos necessários para a obtenção de dois diplomas; o primeiro é título de eleito e o segundo o de canalha...

Um deputado do Amapá, um dos estados que menos contribuem com a arrecadação federal, se precisar sair de Macapá para uma das 14 cidades (isso mesmo, o Acre tem 15 cidades apenas), ganha de diária de deslocamento R$ 2.600,00. Uma pesquisa da Rede Globo mostrou que o hotel mais caro de Macapá custa R$ 280,00 (preço cheio e sem descontos que os hotéis costumam oferecer); já o prato de comida mais caro deste mesmo hotel, custa R$ 100,00 e dá para alimentar 6 pessoas; mas isso se o deputado tivesse que usar estes serviços na capital, porque no interior é ainda mais barato. É bom também lembrar que o deslocamento deste deputado, seja de carro, barco ou avião, por qualquer cidade, também é custeado de forma oficial e não está inserido na diária que ele recebe.

Temos que fazer esclarecer aos que não sabem que o Governador do Amapá é Camilo Capiberibe, figura mais do que conhecida aliada do PT; outra figura que também tem raízes no Amapá é nosso ex-presidente José Sarney, atual Presidente do Senado que é do Maranhão, mas se elegeu pelo Amapá, apenas para que seus parentes e aliados pudessem ocupar mais cadeiras no Senado. O Presidente do Legislativo do Amapá, deputado Moisés Souza é do PSC e na mesa diretora tem gente do PMDB, DEM, PP, PSDC e PDT. Pelos dados do próprio portal da ALAP só o gabinete do Presidente gastou em janeiro deste ano mais de R$ 45 mil em despesas extras. Sem incluir a folha salarial esta mesma assembleia gastou em fevereiro com a sua estrutura e manutenção R$ 3,6 milhões; os salários somaram em fevereiro R$ 7,5 milhões; e aquelas diárias que iniciam com 2,6 mil para cada deputado que sair de Macapá, somente em fevereiro somou R$ 1 milhão de Reais.

Pelo que pude pesquisar, em média, cada deputado do Amapá gastou de Verba Indenizatória em fevereiro deste ano um valor perto do limite que é de R$ 100 mil; são 24 deputados, por isso, somente de despesas extras eles mandaram para algum ralo algo em torno de R$ 1,2 milhão; neste mesmo Estado tem muitos professores que não ganham o salário mínimo...! Depois de tudo isso, podemos ou não diplomar os políticos amapaenses como canalhas?

Sabemos bem que este tipo de gente é como ratos, proliferam numa velocidade estonteante e contaminam a pobre e medíocre cultura brasileira. Sabemos bem que não é só no Amapá que o político canalha sobrevive diante de todo tipo de impunidade, inclusive com a cegueira completa da justiça e daqueles que a deveriam promovê-la; mas dados geofísicos e sociais do Amapá estão na contramão da história atual brasileira. 5% da população são de analfabetos, mas dados não oficiais dão conta de que este número está aquém da realidade; o PIB per capto mensal oficial é R$ 958,00, mas a população que vive abaixo da linha de miséria, segundo também estudos publicados chega a 37%; pelo menos 37% da população estão inscritos nos programas de ajuda social do Governo Federal como o “Bolsa Família”.

Há uma tabela que classifica os diversos tipos de canalhas como INSENSÍVEL, que são aqueles que querem apenas uma curtição e mesmo agora, ficam de olhos fixos no futuro; há também o PREDADOR, que são os consumistas que imaginam que tudo vai acabar e precisa ser devorado urgente. Tem o canalha DOMINADOR, aquele que esmaga, destrói e sufoca. O NARCISISTA é o tipo charmoso que tenta ser o máximo até que haja o primeiro problema para que ele saia pela tangente. O MEDROSO é o canalha que se entrega logo e tenta se tornar o MENTIROSO. O mentiroso nunca sabe de nada! O canalha DESAPEGADO mantém intransigente o domínio sobre si e jamais arrisca. Para finalizar a lista de canalhas existentes há o ADOLESCENTE, que insiste e não amadurecer e abandonar os maus hábitos e o PERVERSO, que é atencioso no início e nos faz sempre crer que somos imprescindíveis e exclusivos; depois de algum tempo, ele abandona, sempre deixando uma cicatriz visível.

Charles Chaplin disse um dia que “se matamos uma pessoa somos assassinos. Se matamos milhões de homens, celebram-nos como heróis”; e a supor da escrita de Mário Quintana, quando escreveu que “E um dia os homens descobrirão que esses discos voadores estavam apenas estudando a vidas dos insetos...”; talvez conseguíssemos discernir entre a pessoa de bem e o canalha. De fato e justo que quem mata um deve pagar, muitas vezes por homicídio, mas e aqueles que matam milhões sem ao menos ter que empunhar uma arma?

Somos nós, pobres ingênuos, que ainda acreditamos que estes canalhas vestindo de ternos caros, falando errado e de pouca elegância conseguem impor um padrão adjutório social; e quem de fato pensa que um canalha pode mudar algo, senão sua conta corrente e sua ficha criminal; também acredita que eles, os extraterrestres vem aqui para nos estudar; porque desta raça, a humana, onde uma maioria não pensa; e quem pensa não age, deixando a escória os dominar, com certeza acopla em menor grau do que reles insetos.

Abraham Lincoln também disse algo a respeito dos canalhas; o humanista americano disse um dia que Deus deve amar muito os homens medíocres, porque fez vários deles. O mal que a humanidade costuma suportar e fazê-lo perpetuar através de atos desta gente imunda, com certeza está cada vez mais sobrepondo o bem que é sepultado com alguns poucos e raros bem intencionados.

Uma das lições para nos vermos livres de uma aproximação do canalha é jamais nos aproximar deles, mas e como fazer isso; se insistimos em eleger pessoas sem o menor preparo? Já tentamos eleger médicos sádicos, juristas injustos e palhaços tristes; todos pertencentes a uma única classe, a classe dos canalhas; aqueles que não dão a menor importância pra nada mais que não seja seus ganhos extras, mesmo isso elimine vidas e transforme em calamidade uma miséria tão notória que eles até conseguem enxergar, mas preferem a cegueira da distância.

Possa ser que minha palavra não dê em nada, mas não irei pecar jamais pelo silêncio, porque isso me transformaria num covarde. Também não sou nenhum exemplo a ser seguido, mas não culpo a vida, muito menos meus mestres por isso. Pior do que o covarde é aquele que enxerga e insiste em eleger mais canalhas; e não digam que os homens de bem estão em extinção, porque não podemos justificar o erro com a preguiça da procura.

Meu avô que repousa numa lápide fria e esquecida me dizia: o homem vale o que possui; há os que são ricos e seu peso é em ouro; os canalhas deveriam ser pesados e comparados como lixo; quanto mais há, mais deterioram e contaminam um ambiente. Não podemos nos refutar e esquecer que somos nós, quem produzimos este lixo...


Carlos Henrique Mascarenhas Pires



Comentários 0



Nossos Parceiros

© Copyright 2011 - Crônicas do Imperador. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento de sites