Vídeo em Destaque

+ Mais videos

Enquete

LULA SERÁ PRESO?
Crônicas do Imperador
na Rede

AS DIFICULDADES DE SE TER UM VISTO AMERICANO

Quarta feira, 24 de Janeiro de 2007
AS DIFICULDADES DE SE TER UM VISTO AMERICANO

Muitos o querem de qualquer forma, mas poucos os consegue; muitos fazem qualquer coisa para poder ter um visto de entrada nos Estados Unidos da América e o disfarce é sempre o de turista, e quando alguém consegue entrar em terras norte americanas, dão logo um jeitinho de ficarem por lá para então tentarem um dia o tão sonhado “green card” ou como eles chamam, Permanent Resident Card.

Certo dia ainda em Curitiba, eu estava fazendo compras num shopping freqüentado pelas classes média e alta da cidade, quando resolvi beber um cafezinho numa daquelas ilhas tradicionais que ficam no meio dos corredores, e “pesquei” sem querer a conversa de duas jovens que falavam sobre o visto americano. Uma delas gabava-se de já ter como certo A COMPRA de um visto estadunidense de estudante e entusiasmada, informou à colega que havia pagado somente R$ 2 mil.

Pela aparência das jovens (aparência não é nada), faltavam-lhe informações consistentes que elucidassem aquela verdadeira ignorância e acesso ao crime, e eu não me fiz de rogado e tive que interromper o diálogo para prestar-lhes as verdadeiras informações, até mesmo para quem sabe, poder estar salvando duas irmãs brasileiras das cadeias abarrotadas de imigrantes ilegais.

Primeiro eu tive que esclarecer que uma coisa é ser pego em território americano sem visto e sem documento. A pena para estes casos é uma, não maior do que a detenção por imigração ilegal e deportação, mas quando um não estrangeiro é apanhado com documentação oficial daquele país falsa, a circunstancia deixa de ser um simples delito para se tornar um crime federal, punido com abertura de processo e coibido severamente.

Falsificar visto de imigrante nos Estados Unidos da América é a mesma coisa que falsificar o dinheiro deles, o dólar. O falsário pode ficar até 10 anos na cadeia, se não houver outra acusação contra ele e quem se faz utilizar deste método para entrar no país, além de estar assumindo de plano a conivência com o crime, pois os vistos só são emitidos em consulados e embaixadas, ainda pode ser facilmente confundido com terroristas, uma vez que a nação inteira vive na atualidade a tensão do terrorismo contra seus cidadãos.

Na verdade, eu deixei claro para aquelas garotas, algo bem obvio, imaginável para todos que pararem para pensar um pouquinho apenas no que estão fazendo. A conta é simples e qualquer pessoa que possua cérebro terá capacidade para discernir assim como eu: se um “coiote” cobra até U$ 40 mil para assessorar na travessia pelo México e na maioria dos casos os ilegais são presos ou desistem pelo alto grau de perigo e dificuldade, como é possível comprar um visto 99% (na versão das garotas) parecido com o original por R$ 2 mil ou U$ 860,00? Quem um dia conseguir reproduzir um visto tão idêntico e o puser a venda, jamais venderia por este valor.

Apenas para finalizar a etapa do diálogo com os aprendizes de criminosas internacionais, eu as disse que um visto tão bom por um preço tão baixo, atrairia pessoas do mundo inteiro e seu inventor, caso não fosse preso antes, ficaria milionário.

Mas vamos desmistificar agora alguns temas ligados ao visto americano e deixar bem claro os motivos que leva o Governo do país a investir pesado na inibição da imigração ilegal.

Primeiro é bom que todo brasileiro imagine que, se aqui é ruim para conseguir emprego e renda satisfatória, lá é tão ruim quanto, ou pior. Os americanos costumam pagar melhor (em numerário) aos que lhes servem, inclusive pela cultura da gorjeta (que eles chamam de propina) e muitas vezes, esta propina é confundida com salário e transformam as cabeças dos brasileiros que transformaram os Estados Unidos num eldorado para desempregados ou quem anda insatisfeito com seus empregos por aqui.

A grande maioria tenta entrar pelas cidades mais tradicionais como Miami e Nova Iorque, por via aérea com visto de turista, que lhes concede o direito de permanecer por até três meses e em alguns raros casos, quem comprova poder permanecer com dinheiro e dignidade, estes vistos podem ser renovados por mais três meses.

Muitos também forjam cursos e feiras internacionais para entrarem como profissionais ou estudantes, mas esta prática é mais difícil pois os mesmos pretendentes devem também provar mais recursos durante a permanência e o sonho do visto pode acabar com um carimbo de “negado” na página do passaporte.

Outro meio comum hoje é passar na marra pela fronteira com o México. Os Estados Unidos da América possui cerca de 5 mil quilômetros de fronteira seca com o vizinho México e como há muita vulnerabilidade na entrada e permanência no país de Zapata, nossos ingênuos e ridículos irmãos brasileiros pensam que podem atravessar o Rio Grande, normalmente em Chihuhahua (Ciudad Juarez), fronteira com a texana El Paso ou no Leste por Tijuana.

A aventura mortífera de atravessar a fronteira com o México exige muita habilidade dos brasileiros e coragem. De dia há um calor insuportável que facilmente chega aos 44 graus e a noite a região desértica atinge facilmente menos 5 graus. Não bastasse a oscilação climática brusca, uma infinidade de serpentes da espécie Cascavel e escorpiões rondam entre os arbustos, espreitando uma vítima que chegue perto deles.

Colonos mexicanos e estadunidenses costumam também fazer de aventureiros, alvos vivos para suas espingardas. Pelo lado mexicano, muitos de nenhum coração buscam pagamento daqueles que andam pelas terras que eles dizem ser suas; no lado estadunidense, fazendeiros que se intitulam patriotas costumam matar em nome da defesa de seu país e o resultado final são dezenas de corpos recolhidos todos os dias e enterrados no cemitério dos indigentes. Os aventureiros ilegais costumam tentar passar a fronteira sem documentos para serem confundidos com os mexicanos e expatriados quase que imediatamente.

O México possui um tratado com os Estados Unidos que permite a deportação imediata nos casos de flagrante de ilegais, mas outros países como o Brasil não possuem tratados de igual natureza. Se forem flagrados com documentos brasileiros os ilegais são identificados, triados e presos até que sejam julgados pela lei de imigração e deportados, podendo ficar presos por até cinco anos sem comunicação externa.

Eu vivi nesta fronteira, graças a Deus, legalmente, na cidade de El Paso no Texas e na época em que estive lá até que não havia tantos brasileiros se aventurando na travessia da fronteira mas do lado mexicano, onde estive centena de vezes por vários dias, sempre vi histórias dos coiotes que cobravam 7, 8 e até 10 mil dólares para servirem de guias de travessia. Muitos pagavam uma, duas e até três vezes e não conseguiam passar. Os poucos que conseguiam eram obrigados a trabalhar feito cavalo na terra do Tio Sam para pagarem suas dívidas com os mexicanos que lhes ajudaram a entrar nos Estados Unidos e se não pagassem, com certeza havia retaliação e apontamento imediato para o departamento de Imigração para que fossem presos e humilhados.

Minas Gerais é o estado brasileiro que mais importa imigrantes ilegais para os Estados Unidos. Acredita-se que haja ainda hoje cerca de 5 mil presos brasileiros lá e muito esforço de parlamentares brasileiros que tratam todos os anos através do Itamaraty a deportação destes ilegais para sua terra mãe. Muitas vezes não há sucesso algum pois parte destes ilegais são indiciados como “possíveis terroristas” e neste caso não há possibilidade de deportação.

Na cidade mineira de Governador Valadares já existe um apelido carinhoso há mais de dez anos, o de Governador Valadolares pois são milhares de valadarianos que vivem legais e ilegais na famosa “América”, aliás os Estados Unidos também se intitulam de “América” como se fossem eles os únicos americanos do globo. Em Governador Valadares já existiu até fábrica de vistos ou gráficas que imprimiam carteiras de identidade falsas para mudarem a naturalidade dos pretendentes a visto estadunidense. No consulado dos Estados Unidos quem solicita um visto e possui naturalidade da cidade mineira a chance de ser negado é de 99% simplesmente por serem nascidos lá.

A questão de entrada legal nos Estados Unidos está ligada diretamente a três fatores, que são eles:

a) Condição real de provar que há dinheiro suficiente para se manterem pelo período declarado. Quando citamos o fator “condição financeira” o consulado diz não ter uma tabela que indique parâmetros de medição, mas o que eu já ouvi inclusive de funcionários do próprio consulado é que eles avaliam uma média de gasto da ordem de U$ 500,00/dia. Se o candidato a visto informar que passará o mínimo de oito dias ele deverá ter na sua conta corrente um saldo de no mínimo R$ 9.200,00. Este valor em tese serviria para pagar um hotel razoável e comer em restaurantes também razoáveis, além de é claro, terem as passagens de ida e volta já pagas ou com saldo suficiente para poder pagá-las.

Existe também outros fatores ligados a “condição financeira” como cartões de crédito internacional com data de aquisição com mais de 3 anos e com bandeiras relevantes como American Express, Diners Club Internacional e Visa e Mastercard que contenham o hipocorístico de Platinum, Gold ou Infinit. Cartões comuns e fáceis de adquirir como os de afinidade de supermercados e lojas ancoras, muito comuns entre os menos abastados, mesmo quando forem internacionais, não são considerados como suficientes pois normalmente possuem limites baixos.

Travels cheques também podem provar que o candidato não se privará de nada quando estiverem nos Estados Unidos e podem também deixa a economia das cidades muito felizes. Estes cheques com cara de dinheiro que podem ser trocados facilmente em cidades turísticas e civilizadas em tese provam que quem os possui é de fato um turista, e um turista razoavelmente civilizado e capaz de gastar. Conta muito ter estes cheques na hora de pedir um visto.

Por ultimo, ligado a “condição financeira”, não adianta ter tudo isso que já foi citado se a sua declaração de renda for ISENTA. Jamais apresente também uma declaração falsa pois eles, os cônsules analisadores, se notarem que há falsificação de documento, você poderá jamais solicitar outra vez o visto.

Resumindo o item, se você tiver como provar que possui grana, muita grana, com certeza você entrará facilmente nos Estados Unidos!

 

b) Se você quer fazer um curso de línguas ou qualquer outro nos Estados Unidos prepare-se para fazer uma Via Crucis até provar que ele é real e respeitado lá e prepare-se para provar muitas outras coisas, entre elas a real condição de manter-se com todos os critérios do item “a” acrescido de mais muitos dólares. O estudante que quer entrar com visto de “estudante” precisa provar melhor condição pois os cursos duram mais tempo do que um pacote turístico comum e alem de dormir e comer o estudante precisa pagar o curso que normalmente é caro.

Profissionais liberais e empresários também podem requisitar vistos especiais para nos casos como feiras e apresentações tecnológicas, mas para estes casos a regra não foge muito às aplicadas com os estudantes.

 

c) Existem vistos e vistos e se você possuir (verídico) cerca de U$ 5 milhões e provar que tal valor é de origem lícita e que será investido nos Estados Unidos o consulado pode lhe conceder de imediato o famoso Green Card. Você se torna um residente permanente sem nenhum problema.

É fato também que existem os vistos falsos, passaportes falsos e quem sabe, até green card falso, mas não é lenda mesmo que eles tratam estas questões como tratam suas próprias vidas e se estes criminosos forem apanhados em solo estadunidense, com certeza apodrecerão numa cela até sumirem. A tecnologia aplicada para a detecção destes artefatos falsos é tão cara e precisa que mais parecem obras da ficção cinematográfica.

Em todos estes anos de vida e viagens eu jamais conheci ou soube de alguém que fizesse vistos falsos com perfeição plena como fazem com cédulas inclusive de dólar ou mesmo de pessoas que trabalhem nos consulados ou embaixadas que vendam tais documentos.

O sonho de todo latino sem qualificação escolar de excelência ou profissionalizante invejável é mesmo o de morar nos Estados Unidos, Canadá, Japão ou Austrália, paises que conseguem oferecer melhores salários para trabalhadores comuns (em comparação ao salário brasileiro), mas o que a maioria não sabe é que morar nestes paises pode ceifar boa parte das suas vidas; as pessoas que abdicam da residência brasileira, por mais medíocre que possa parecer, desconhecem a real condição de morar fora daqui na forma ilegal. Homens e mulheres são humilhados e mal pagos e obrigados a executarem serviços escravos em nome do sigilo de suas condições. Não há muita escolha pois se forem entregues a policia, serão presos e viverão meses, anos até serem deportados.

Quem mora ilegal em paises ricos dorme mal e pouco, come mal e pouco, adoecem e não podem utilizar os serviços públicos essenciais, não têm acesso à justiça, escola e vivem se escondendo. Não podem abrir conta corrente e normalmente guardam dinheiro em casa ficando vulneráveis a ação de ladrões. Suas únicas chances de carinho em terras estranhas são os nossos poucos consulados, que na verdade não podem lhes pagar um prato de comida, oferecer-lhes emprego ou pagar uma passagem de volta para o Brasil.

Antes de você se aventurar e pegar o primeiro avião rumo ao México ou imaginar em comprar documentos falsos para tentar um visto de turista, pense nestes milhares de pessoas presas e outras milhares de famílias que vivem em piores condições do que as nossas; pense que você poderia investir um pouco mais em você mesmo, fazendo uma faculdade e se tornando uma excelência em qualquer área; pesquise e encontre uma alternativa que o deixe feliz aqui mesmo perto daqueles que já o conhece; pense no frio, fome, calor extremo, terremotos, vulcões, maremotos, tiros que matam crianças em escolas e tantas outras desgraças que acontecem em países como os Estados Unidos da América; pensem em tudo isso e respondam a si mesmos se tanta desgraça vale os dólares que você supostamente ganhará trabalhando feito um cão sem dono?

Trabalhe, estude, invista em si mesmo e viaje pelo mundo podendo ganhar a experiência global e podendo também voltar aqui e ensinar tudo isso e ajudar o seu pais a crescer com seu aprendizado. Faça isso e veja se não é melhor e mais prazeroso?

 

Carlos Henrique Mascarenhas Pires



Comentários 4

Samuel

Sexta feira, 04 de Março de 2016, às 11:19
Olá eu fui para os USA em 2005 logo a imigração fui pego com documentos falsos, fui deportado, em 2014 fui tentar um visto e fui negado pelo motivo citado, será que posso conseguir hoje um visto Ou pedir perdão ?

Reginaldo

Segunda feira, 11 de Maio de 2015, às 02:12
Si eu mim casar com uma cubana eu posso entrar no estado unidos sem visto!

carlos ojiel santos hernandez

Quarta feira, 25 de Setembro de 2013, às 10:22
En la Ciudad de |Governador valadares, hay personas que buscan a cubanos ciudadanos cubanos recidentes en Brasil y pagan hasta 10,000,00 reales por el pasaporte cubano que luego sera adulterado y falsificado en governador Valadares para este pasaporte ser utilizado por un mineiro en territorio americano. ya que en la frontera de mexico si usted comprueva que es cubano, al momento o por lo minimo en 24 horas tiene derecho a refugio en territorio Americano asi como a otras regalias del govierno americano.recordandole a los mineiros, que devido a esta situacion ahora existe un teste de cubania hecho por cubanos para cubanos en la frontera americana.

Debora

Quarta feira, 25 de Julho de 2012, às 13:09
Sr. Carlos, boa noite. Gostaria da sua opinião por favor. Moro com uma pessoa no regime de união estável ja faz cinco anos ele é americano e tenho como provar que moramos esse tempo junto; eu sou uma profissional autônoma (corretora), o meu marido é assalariado e tem uma boa renda. No final do ano preciso viajar para o Estados Unidos, primeiro porque quero conhecer o pais e segundo porque o sobrinho dele vai se casar e gostaríamos de ir no casamento. Quais as dificuldades que o sr. acha que irei encontra para tirar o visto? Muito obrigada pela ajuda. Debora



Nossos Parceiros

© Copyright 2011 - Crônicas do Imperador. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento de sites